Zenilda Ribeiro
Escrever é um ato libertador e uma forma de me reinventar.
Textos
Leve, vento!

Ao vento
que sussurra
e me acaricia
a pele, a alma,
confidenciei
minhas dores.
Pedi que sopre,
sopre forte
e leve
do meu interior
as poeiras
dos sentimentos
ressentidos.
Até sem sentido,
mas sentidos
e doloridos.
E o vento soprou.
Ouvi seus assobios.
Parecia chorar comigo.
E voltou a me tocar
e me abraçar.
Me encheu de paz.
Irmão vento.
Já dizia
um certo Francisco.
E aqui fico
a desejar
que os bons ventos
renovem o ar
que anda pesado.
Zenilda Ribeiro
Enviado por Zenilda Ribeiro em 30/05/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras